ASMATHOUR (1971) – PARA CORO E PERCUSSÃO – DE GILBERTO MENDES: UMA ABORDAGEM ANALÍTICA DO USO DE CONTRASTES DE DENSIDADE E DE INTENSIDADE

Adriana Francato

Resumo


O presente artigo aborda a obra Asthmatour, para coro e percussão, composta em 1971 pelo compositor brasileiro Gilberto Mendes e propõe uma análise musical enfocando o uso de contrastes de densidade e de intensidade pelo compositor no decorrer da obra. Na análise, foram usadas como referências manuscritos que retratam seu processo composicional e que foram compilados pela pesquisadora Rosemara Staub de Barros Zago (ZAGO:2000) e obras teóricas de autores que analisam os movimentos surgidos no século XX, como David Cope (COPE:1993) e Michael Nyman (NYMAN:2000). O compositor cria uma estrutura delimitada e definida e, a partir dela, utiliza o recurso da montagem na organização dos materiais, num processo aberto à criação do intérprete.

Palavras-chave


Asthmatour. Gilberto Mendes. Análise musical.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2015 OPUS

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

 
OPUS - Revista Eletrônica da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Música (ANPPOM)
ISSN 0103-7412 (versão impressa, 1989-2008), ISSN 1517-7017 (versão online, 2009- )