Diplomacia e política cultural no Brasil (1964-1975): o caso das obras Ritmata e Momentos I

Fabio Guilherme Poletto, Eric Henrique Moreira Evangelista

Resumo


Este trabalho aborda duas composições escritas em 1974 para violão solo: Ritmata e Momentos I, dos compositores Edino Krieger (n. 1928) e Marlos Nobre (n. 1939), respectivamente. Essas obras tiveram sua edição e divulgação no exterior aparentemente viabilizadas pelo Ministério das Relações Exteriores do Brasil, em processo intermediado pelo violonista Turíbio Santos (n. 1943). Parte deste trabalho visa mapear historicamente as políticas culturais para a música existentes no Brasil entre 1964 e 1975. Além disso, busca comparar essas políticas com as diretrizes para a difusão de obras musicais no exterior, a partir da compreensão da diplomacia cultural implementada pelo Itamaraty. Como estratégia de pesquisa, aborda documentos oficiais e busca estabelecer diálogos com a bibliografia especializada. Em segundo momento, os registros em partitura das obras são abordados panoramicamente, a partir de análises musicológicas , buscando filtrar e avaliar seus elementos musicais mais evidentes. Finalmente, a pesquisa busca cotejar os objetivos das políticas culturais e da diplomacia cultural relativos à música com as características mais evidentes das obras efetivamente divulgadas. Essas frentes de investigação indicam novas possibilidades para a compreensão das relações entre música e identidade nacional no Brasil da segunda metade do século XX.


Palavras-chave


Políticas culturais para a música no Brasil. Diplomacia cultural brasileira. Identidade nacional. Repertório para violão. Ritmata. Momentos I.

Texto completo:

PDF

Referências


ACADEMIA BRASILEIRA DE MÚSICA. Marlos Nobre. Disponível em: . Acesso em: 18 abr. 2016.

ARAÚJO, Paulo César. Eu não sou cachorro não: música popular cafona e ditadura militar. 2aed. Rio de Janeiro: Record, 2002.

BOSSEUR, Jean-Yves. Do som ao sinal. Tradução: Marco Aurélio Koentopp. Curitiba: Ed. UFPR, 2014.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Política Nacional de Cultura. Brasília: Departamento de Documentação e Divulgação, 1975.

BRUNNER, Jose Joaquin. La mano visible y la mano invisible. In: America Latina: cultura y modernidad. Grijalbo: Conselho Nacional por La Cultura Y Las Artes, 1992. p. 205-248.

CAVALCANTI, Alberto. Música popular: janela-espelho entre o Brasil e o mundo. Tese (Doutorado em Sociologia). Departamento de Sociologia, UnB, Brasília, 2007.

COHN, Gabriel. A concepção oficial da política cultural nos anos 70. In: MICELI, Sergio (Org.). Estado e cultura no Brasil. São Paulo: Difel, 1984. p. 85-96.

CORÁ, Maria Amelia Jundurian. Políticas públicas culturais no Brasil: dos patrimônios materiais aos imateriais. Revista Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 48, n. 5, p. 1093-1112, set./out. 2014.

CRESPO, Flavia Ribeiro. O Itamaraty e a cultura brasileira (1945-1965). Dissertação (Mestrado em Filosofia). Centro de Ciências Sociais/Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, UERJ, Rio de Janeiro, 2006.

DUDEQUE, Norton. História do violão. Curitiba: UFPR, 1994.

DUMONT, Juliette; FLÉCHET, Anaïs. Pelo que é nosso!: a diplomacia cultural brasileira no século XX. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 34, n. 67, p. 203-221, 2014.

FARIA, Celso Silveira. A Collection Turíbio Santos: o intérprete/editor e o desafio na construção de novo repertório brasileiro para violão. Dissertação (Mestrado em Música). Escola de Música, UFMG, Belo Horizonte, 2012.

FERNANDES, Natalia Aparecida. Morato. A política cultural à época da ditadura militar. Contemporânea - Revista de Sociologia da UFSCar, São Carlos, v. 3, n. 1, p. 173-192, jan./jun. 2013.

FLÉCHET, Anaïs. As partituras da identidade: o Itamaraty e a música brasileira no século XX. Escritos, ano 5, n. 5, Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 2012, p. 227-256. Disponível em: .Acesso em: 20 jan. 2017.

FRAGA, Orlando. Ritmata by Edino Krieger. Trabalho Acadêmico. Ontário, University of Eastman, 1995.

FREITAS, Artur. Arte e contestação: o Salão Paranaense nos anos de chumbo. Curitiba: Medusa, 2013.

GADO, Adriano Braz. Um estudo da técnica de doze sons em obras selecionadas: Hans Joachim Koellreutter e César Guerra-Peixe. Dissertação (Mestrado em Música), Instituto de Artes, UNICAMP, Campinas, 2005.

HEREDIA, Cecília Riquino. A caneta e a tesoura: dinâmicas e vicissitudes da censura musical no regime militar. Dissertação (Mestrado em História Social). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, USP, São Paulo, 2015.

HINGST, Bruno. Projeto ideológico cultura no regime militar: o caso da Embrafilme e os filmes históricos e adaptações de obras literárias. Tese (Doutorado em Processos Audiovisuais). Escola de Comunicação e Artes, USP, São Paulo, 2013.

KREUTZ, Thiago de Campos. A música para violão solo de Edino Krieger: um estudo do idiomatismo técnico-instrumental e processos composicionais. Dissertação (Mestrado em Música). Escola de Música, UFG, Goiânia, 2014.

KRIEGER, Edino. Ritmata. Paris: Editions Max Eschig, 1975. Partitura.

MACHADO, Gabriel Luiz. A difusão cultural brasileira como instrumento de política externa: estratégias contemporâneas. Trabalho de Conclusão de Curso (Relações Internacionais). Faculdade de Ciências Econômicas, UFRGS, Porto Alegre, 2012.

MACIEL, Michel Barboza. Ritmata de Edino Krieger: uma reflexão sobre processos vanguardistas na literatura do violão brasileiro. Dissertação (Mestrado em Música). Escola de Música, UFMG, Belo Horizonte, 2010.

MAIA, Tatyana de Amaral. Entre a memória histórica e a prática cívica: os calendários culturais do MEC (1969-1974). Sæculum - Revista De História, João Pessoa, n. 23, p. 111-122, jul./dez. 2010.

______. Os usos do civismo em tempos autoritários: as comemorações e ações do Conselho Federal de Cultura (1966-1975). Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 34, n. 67, p. 89-109, 2014.

MICELI, Sérgio. O processo de “construção institucional” na área cultural federal (anos 70). In: MICELI, Sérgio. Estado e cultura no Brasil. São Paulo, Difel, 1984. p. 53-83.

MIDANI, André. Música, Ídolos e Poder: do vinil ao download. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2008.

MORELLI, Rita de Cássia Lahoz. Indústria Fonográfica: um estudo antropológico. São Paulo: Unicamp, 1991.

NAPOLITANO, Marcos. A MPB sob suspeita: a censura musical vista pela ótica dos serviços de vigilância política (1968-1981). Revista Brasileira de História. São Paulo, v. 24, n. 47, p. 103-126, 2004.

______. A Música Popular Brasileira (MPB) nos anos de chumbo do regime militar (1969/1975) In: SALA, Massimiliano; ILLIANO, Roberto (Eds.). Music and Dictatorship in Europe and Latin America. Amsterdã/Lucca: Brepols Publishers, 2010.

______. A síncope das ideias: a questão da tradição na música popular brasileira. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2007.

NOBRE, Marlos. Momentos I. Paris: Editions Max Eschig, 1975. Partitura.

ORTIZ, Renato. A moderna tradição brasileira: cultura brasileira e indústria cultural. São Paulo: Brasiliense, 1988.

PAIANO, Enor. O berimbau e o som universal: lutas culturais e indústria fonográfica nos anos 60. Dissertação (Mestrado em Comunicação Social). Escola de Comunicação e Artes, USP, São Paulo, 1994.

PAZ, Ermelinda A. Edino Krieger: crítico, produtor e compositor. v. 1. Rio de Janeiro: SESC - Serviço Social do Comércio, 2012.

PAZ, Vanessa Carneiro da. Encontros em defesa da cultura nacional: o Conselho Federal de Cultura e a regionalização da cultura na ditadura civil-militar (1966-1976). Dissertação (Mestrado em História). Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, UFF, Niterói, 2011.

RIBEIRO, Edgard Telles. Diplomacia cultural: seu papel na política externa brasileira. Brasília: FUNAG, 1989.

SALLES, Paulo de Tarso. A música brasileira e sua condição pós-moderna. In: CONGRESSO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM MÚSICA (ANPPOM), 23., 2001, Belo Horizonte. Anais.... Belo Horizonte: ANPPOM, 2001. p. 417-423.

______. Momentos I (1974) para violão de Marlos Nobre: síntese e contraste. Per Musi, Belo Horizonte, v. 7, p. 37-51, 2003.

SCARDUELLI, Fabio. A obra para violão solo de Almeida Prado. Dissertação (Mestrado em Música). Instituto de Artes, UNICAMP, Campinas, 2007.

SCHWARCZ, Lilia Moritz; STARLING, Heloísa Murgel. Brasil: uma biografia. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

SILVA, João Raone Tavares da. Reminiscências op. 78 de Marlos Nobre: um estudo técnico e interpretativo. Dissertação (Mestrado em Música). Escola de Música, UFBA, Salvador, 2007.

SILVA, Vanderli Maria da. A construção da política cultural no regime militar: concepções, diretrizes e programas (1974-1978). Dissertação (Mestrado em Sociologia). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, USP, São Paulo, 2001.

STROUD, Sean. The Defence of Tradition in Brazilian Popular Music – Politics, Culture and the Creation of Música Popular Brasileira. Hampshire: Ashgate, 2008.

VETROMILLA, Clayton Daunis. Política cultural nos anos 70: controvérsias e gênese do Instituto Nacional de Música da FUNARTE. SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE POLÍTICAS CULTURAIS, 2., 2011. Rio de Janeiro. Anais... . Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 2011. p. 1-20. Disponível em . Acesso em: 8 nov. 2016.

ZANON, Fabio. O violão no Brasil após Villa Lobos. Revista Textos do Brasil, n. 12, p. 78-85, Música Erudita Brasileira. Brasil: Itamaraty, [s.d.].




DOI: http://dx.doi.org/10.20504/opus2017c2302

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 OPUS - Revista Eletrônica da ANPPOM

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

 
OPUS - Revista Eletrônica da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Música (ANPPOM)
ISSN 0103-7412 (versão impressa, 1989-2008), ISSN 1517-7017 (versão online, 2009- )