Ambiguidade métrica no Presto da Sonata para violino solo BWV 1001 de J. S. Bach: apontamentos para uma performance historicamente informada

Luiz Henrique Fiaminghi, Ricardo Müller

Resumo


A tradição interpretativa do séc. XIX consagrou ao Presto da Sonata I a violino solo senza basso, BWV 1001, de Bach, uma concepção de moto perpetuo que enfatiza a virtuosidade, a igualdade e a velocidade da performance, tendo como parâmetro as peças idiomáticas violinísticas de bravura, como moto perpetuo de Paganini. Esta concepção afeta diretamente a estrutura métrica da peça e o sentido rítmico a ela associada. Apesar de a fórmula de compasso indicar claramente uma métrica ternária (3/8), a tradição interpretativa herdada do séc. XIX concebe este movimento prioritariamente em uma métrica binária (6/16) em uma interminável sequência de semicolcheias. Exceções à métrica binária ocorrem quando as ligaduras originalmente marcadas duas a duas são respeitadas, o que consequentemente gera na narrativa rítmica um sentido polimétrico exógeno ao ideal estético do séc. XVIII. Além disso, o senso de movimento contínuo e igualdade rítmica presentes em um moto perpetuo do séc. XIX nega as preceptivas de um discurso retoricamente regrado que prioriza contrastes produzidos pela articulação de vozes em textura polifônica implícita, oculta na escrita das sequências de semicolcheias. Joel Lester (1999), por sua vez, defende que não há neste movimento preponderância métrica entre binário e ternário, e que qualquer opção de interpretação tomada é incapaz de impor-se à outra. Divergindo desta prerrogativa, acreditamos que, ao se superar uma análise estruturalista e adentrar-se em questões hermenêuticas (o mundo do texto) e fenomenológicas (dança/gesto e tradições rítmico/interpretativas), pode-se trazer nova luz a este ícone do repertório violinístico para construção de uma performance historicamente informada ao violino e arco modernos.


Palavras-chave


Presto da Sonata BWV 1001. Moto perpetuo. Ambiguidade métrica. Johann Sebastian Bach. HIP.

Texto completo:

PDF

Referências


BACH, Johann Sebastian. Sei Solo à Violino senza Basso accompagnato: Libro Primo. [1720]. Edição fac-símile. Frankfurt: Insel Verlag, 1962.

BOYDEN, David. The History of Violin Playing from its Origins to 1761 and its Relationship to the Violin and Violin Music. New York: Oxford University Press, 1990.

CORELLI, Arcangelo. Sonate a violino e violone o cimbalo, opera quinta. Roma, [1700]. Edição fac-símile. Firenze: Ed. Scelte, 1979.

FABIAN, Dorottya. Bach Performance Practice, 1945-1975: A Comprehensive Review of Sound Recordings and Literature. Burlington: Ashgate Publ. Company, 2003.

GEMINIANI, Francesco. The Art of Playing on the Violin. Londres, [1751]. Edição fac-símile. Intr. de D. Boyden. Oxford: Oxford University Press, 1975.

GJERDINGEN, Robert. Music in the Galant Style. Oxford/New York: Oxford University Press, 2007

HAYNES, Bruce. The End of Early Music: A Period Performer’s History of Music for the Twenty-First Century. New York: Oxford University Press, 2007.

HOULE, George. Meter in Music, 1600-1800. Bloominghton: Indiana University Press, 1987.

LITTLE, M.; JENNE, N. Dance and the Music of J. S. Bach. Bloomington and Indianapolis: Indiana University Press, 1991.

LESTER, Joel. Bach’s Works for Solo Violin: Style, Structure, Performance. New York: Oxford University Press, 1999.

LEDBETTER, David. Unaccompanied Bach: Performing the Solo Works. London/New Haven: Yale University Press, 2009.

NATTIEZ, Jean-Jacques. O combate entre Cronos e Orfeu: ensaios de semiologia musical aplicada. São Paulo: Via Lettera Editora, 2005.

MOZART, Leopold. A Treatise on the Fundamental Principles of Violin Playing [1756]. Trad. de Editha Knocker. New York: Oxford University Press, 1985.

SCHRÖDER, Jaap. Bach’s Solo Violin Works: A Performer’s Guide. London and New Haven: Yale University Press, 2007.

STOWELL, Robin. Violin Technique and Performance in the Late Eighteenth and Early Nineteenth Certuries. Cambridge: Cambridge University Press, 1985.

TARLING, Judy. Baroque String Playing for Ingenious Learners. Hertfordshire: Corda Music Publications, 2001.

TARTINI, Giuseppe. Lettera del defonto signor Tartini alla signora Maddalena Lombardini. Londres [1779]. Ed. Fac-símile. New York, London: Johnson Reprint Corporation, 1967.

TARUSKIN, Richard. Text and Act: Essays on Music and Performance. New York/Oxford: Oxford University Press, 1995.

TATLOW, Ruth. Bach’s Numbers: Compositional Proportion and Significance. Cambridge: Cambridge University Press, 2015.




DOI: http://dx.doi.org/10.20504/opus2017b2308

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 OPUS - Revista Eletrônica da ANPPOM

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

 
OPUS - Revista Eletrônica da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Música (ANPPOM)
ISSN 0103-7412 (versão impressa, 1989-2008), ISSN 1517-7017 (versão online, 2009- )