Resenha de Do samba ao funk do Jorjão: ritmos, mitos e ledos enganos no enredo de um samba chamado Brasil, de Spirito Santo (Rio de Janeiro: Escola Sesc de Ensino Médio, 2016)

Carlos Palombini

Resumo


A segunda edição, revista e ampliada, do livro de Spirito Santo, Do samba ao funk do Jorjão: ritmos, mitos e ledos enganos no enredo de um samba chamado Brasil, foi lançada pela Escola Sesc de Ensino Médio em agosto de 2016. Através do trabalho de campo e da pesquisa histórica, o autor enlaça, em sete capítulos e um epílogo, diversas linhas evolutivas para tramar a história do samba em perspectiva afro-diaspórica. O “funk do Jorjão” do título remete ao episódio do Carnaval de 1997 em que o mestre de bateria Jorge de Oliveira inseriu uma batida derivada de uma faixa instrumental de electro de Los Angeles em repetições do estribilho do samba-enredo da Unidos do Viradouro. Tal fato ilustra a tese principal do livro: o samba resulta da “hibridização de formas musicais africanas no contexto da diáspora negra nas Américas”. O autor identifica quatro levas sucessivas de escolas de samba: as “escolas matriz” do Estácio e da Mangueira; as “escolas rurais” do Império Serrano e da Portela; as “escolas tijucanas”, dentre as quais o Salgueiro; e as “escolas suburbanas” da Mocidade Independente, da Grande Rio, da Beija-Flor, da Caprichosos de Pilares e da União da Ilha. Em meio a descrições musicais, organológicas, iconográficas e coreográficas informadas pela geografia cultural, Spirito Santo contesta vários mitos — o da hegemonia das culturas yoruba e fon, o da casa de tia Ciata enquanto berço do samba, o da trirracialidade musical — para denunciar o racismo estrutural da historiografia da música brasileira.

Palavras-chave


Samba. Escola de samba. Angola. Reino do Congo. Racismo.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Angélica Ferrarez de. A tradição das tias pretas na Zona Portuária: por uma questão de memória, espaço e patrimônio. Dissertação (Mestrado em História Social da Cultura). Centro de Ciências Sociais, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013. Disponível em: . Acesso em: 21 jun. 2017.

BEZERRA, Nielson Rosa. Mosaicos da escravidão: identidades africanas e conexões atlânticas do Recôncavo da Guanabara (1780–1840). Tese (Doutorado em História). Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2010. Disponível em: . Acesso em: 21 jun. 2017.

BILAC, Olavo. Música brasileira. Tarde. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1919. p. 18–19. Disponível em: . Acesso em: 2 maio 2017.

———. A dança no Rio de Janeiro. Kosmos, Rio de Janeiro, v. 3, n. 5, maio 1906. Disponível em: . Acesso em: 21 jun. 2017.

CASTRO, Yeda Pessoa de. Falares africanos na Bahia: um vocabulário afro-brasileiro. Rio de Janeiro: Topbooks, 2001.

FERNANDES, Florestan. A integração do negro na sociedade de classes. São Paulo: Cia. Editora Nacional, 1965.

GOMES, Tiago de Melo. Para além da casa de tia Ciata: outras experiências no universo cultural carioca, 1830–1930. Afro-Ásia, Salvador, n. 29–30, p. 175–198, 2003. Disponível em: . Acesso em: 21 jun. 2017.

GUIMARÃES, Antônio Sérgio A. Democracia racial: o ideal, o pacto e o mito. Novos estudos, São Paulo, n. 61, p. 147–162, nov. 2001. Disponível em: . Acesso em: 2 maio 2017.

MARTIUS, Carlos Frederico P. de. Como se deve escrever a história do Brasil. Revista Trimensal de Historia e Geographia ou Jornal do Instituto Historico e Geographico Brazileiro, Rio de Janeiro, v. 6, n. 24, p. 381–403, 1845. Disponível em: . Acesso em: 2 maio 2017.

MUKUNA, Kazadi wa. O contato musical transatlântico: contribuição bantu na música popular brasileira. África, São Paulo, n. 1, p. 97–101, 1978. Disponível em: . Acesso em: 2 maio 2017.

SANDRONI, Carlos. Feitiço decente: transformações do samba no Rio de Janeiro (1917–1933). Rio de Janeiro: Zahar e UFRJ, 2001.

SILVA, Marília; CACHAÇA, Carlos; OLIVEIRA FILHO, Arthur. Fala Mangueira. Rio de Janeiro: José Olympio, 1980.

SILVEIRA, Leandro Manhães. Nas trilhas de sambistas e “povo do santo”: memórias, cultura e territórios negros no Rio de Janeiro (1905–1950). Dissertação (Mestrado em História Social). Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2012. Disponível em: . Acesso em: 21 jun. 2017.

SOARES, Carlos Eugênio Líbano. Zungu: rumor de muitas vozes. Rio de Janeiro: Arquivo Público do Estado do Rio de Janeiro, 1998.

SOUZA, Marina de Mello e. Batalhas rituais centro-africanas e o catolicismo negro no Brasil. In: HUFF JUNIOR, A. E.; RODRIGUES, E. (Orgs.). Experiências e interpretações do sagrado: interfaces entre saberes acadêmicos e religiosos. São Paulo: Paulinas, 2012. p. 207–223. Disponível em: . Acesso em: 2 maio 2017.

VIANNA, Hermano. O mistério do samba. Rio de Janeiro: Jorge Zahar e Editora UFRJ, 1995.

Referências fonográficas

BEATAPELLA MIX. DJ Battery Brain (compositor). Unknown (produtor musical). Los Angeles: Techno Hop Records, THR-20, 1988. Single de 12 polegadas, lado B, faixa 1. Disponível em: . Acesso em: 2 maio 2017.

OS AFRO-SAMBAS. Baden Powell e Vinicius de Moraes (compositores). Baden Powell, Vinicius de Moraes e Quarteto em Cy (intérpretes). César Guerra-Peixe (arranjos e regência). Rio de Janeiro: Forma, FM 1.016, 1966. LP estéreo. Disponível em: . Acesso em: 3 maio 2017.

QUEM CONDENA A BATUCADA. Nelson Petersen (compositor). Carmen Miranda e Orquestra Odeon sob a regência de Simon Bountman (intérpretes). Rio de Janeiro: Odeon, 11.640-B, 1938. 78 RPM, lado B.

TREVAS! LUZ! A EXPLOSÃO DO UNIVERSO. Dominguinhos do Estácio, Mocotó, Flavinho Machado e Heraldo Faria (compositores). Dominguinhos do Estácio e Bateria do Grêmio Recreativo Escola de Samba Unidos do Viradouro (intérpretes). Jorge de Oliveira (mestre de bateria). Rio de Janeiro: [s.n.], 1997 (ao vivo na Avenida Marquês de Sapucaí). Disponível em: . Acesso em: 3 maio 2017.




DOI: http://dx.doi.org/10.20504/opus2017b2312

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 OPUS - Revista Eletrônica da ANPPOM

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

 
OPUS - Revista Eletrônica da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Música (ANPPOM)
ISSN 0103-7412 (versão impressa, 1989-2008), ISSN 1517-7017 (versão online, 2009- )