Equivalência de itens, semântica e operacional da versão brasileira da Escala Nordoff Robbins de Comunicabilidade Musical

Aline Moreira André, Cristiano Mauro Assis Gomes, Cybelle Maria Veiga Loureiro

Resumo


Os pesquisadores americanos Nordoff, Robbins e Marcus (2007) desenvolveram em 1964 a Escala de Comunicabilidade Musical. Utilizaram, nessa escala, instrumentos musicais, a voz e movimentos corporais para estudar em crianças os diferentes aspectos da capacidade de comunicação através da música. Objetivamos, nesta pesquisa, avaliar a tradução realizada da Escala de Comunicabilidade Musical e de seu manual explicativo para o português brasileiro. Como metodologia, realizamos 3 etapas do Modelo Universalista de Validação desenvolvido por Herdman, Fox-Hushby e Badia (1998) denominadas equivalência de itens, equivalência semântica e equivalência operacional. Participaram desse estudo 4 tradutores na etapa inicial e 10 avaliadores no processo de avaliação da tradução. Foram utilizados como instrumentos, a Escala de Comunicabilidade Musical de Nordoff Robbins e seu respectivo manual explicativo. Foi elaborada especialmente para este estudo uma Ficha para análise das Traduções e um Questionário de Análise da Equivalência de Itens, Semântica e Operacional. De acordo com a análise das respostas coletadas dos avaliadores, a tradução dessa escala apresenta linguagem compreensível, seus itens são pertinentes para o contexto brasileiro e podem contribuir para futuras pesquisas em musicoterapia e em música.

Palavras-chave


Escala de Comunicabilidade Musical. Musicoterapia. Escala Nordoff Robbins. Tradução da Escala NR.

Texto completo:

PDF

Referências


AIGEN, Kenneth. Cognitive and Affective Processes in Music Therapy with Individuals with Developmental Delays: A Preliminary Model for Contemporary Nordoff-Robbins Practice. Music Therapy, v. 13, n. 1, p. 13-46, 1995.

ANDRÉ, Aline Moreira; BATISTA, Davi Oliveira. Análise psicométrica das Escalas Nordoff Robbins como instrumento de avaliação no atendimento musicoterapêutico de crianças autistas atendidas no Hospital das Clínicas da UFMG. Monografia. Universidade Federal de Minas Gerais, 2014.

ANDRÉ, Aline Moreira; GOMES, Cristiano Mauro Assis; LOUREIRO, Cybelle Maria Veiga. Escalas Nordoff Robbins: uma revisão bibliográfica. Percepta - Revista de Cognição Musical, v. 3, n. 2, p. 117-131, 2016.

BELL, Adam Patrick et al. The Music Therapy Communication and Social Interaction Scale (MTCSI): Developing a New Nordoff-Robbins Scale and Examining Interrater Reliability. Music Therapy Perspectives, v. 32, n. 1, p. 61-70, 2014.

BERGMANN, Thomas. Music Therapy for People with Autism Spectrum Disorder. The Oxford Handbook of Music Therapy. New York: Oxford University Press, 2015.

BERGMANN, Thomas et al. Music in Diagnostics: Using Musical Interactional Settings for Diagnosing Autism in Adults with Intellectual Developmental Disabilities. Nordic Journal of Music Therapy, v. 25, n. 4, p. 319-351, 2016.

BUNT, Leslie. Music Therapy with Children: A Complementary Service to Music Education? British journal of music education, v. 20, n. 2, p. 179-195, 2003.

CALTABIANO, Amanda. The Impact of Music Therapy on the Social Behaviours of Children with Autism in a Structured Outdoor Inclusive Setting. JOUR – University of Sydney, 2010.

CENTRO NORDOFF ROBBINS DA AUSTRÁLIA. Music therapy program for “at risk” students Nordoff-Robbins Music Therapy Australia and James Meehan High School. Australia, 2008.

FREIRE, Marina Horta. Efeitos da Musicoterapia Improvisacional no tratamento de crianças com Transtorno do Espectro do Autismo. Dissertação (Mestrado em Neurociências). Universidade Federal de Minas Gerais, 2014.

GATTINO, Gustavo Schulz; WALTER, Fabio Ferraz; FACCINI, Lavinia Schuller. Fundamentos sobre validade para o campo musicoterapêutico. In: EMPEMT - ENCONTRO DE PESQUISA EM MUSICOTERAPIA, X, 2010, Salvador. Caderno de resumos: Associação Baiana de Musicoterapia, 2010. p. 7-14.

HERDMAN, Michael; FOX-RUSHBY, Julia; BADIA, Xavier. A Model of Equivalence in the Cultural Adaptation of HRQoL Instruments: The Universalist Approach. Quality of life Research, v. 7, n. 4, p. 323-335, 1998.

LEVITIN, Daniel J. A música no seu cérebro: a ciência de uma obsessão humana. 1. ed. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2010.

MACKINLAY, Elizabeth; FORREST, David. Making Sound Waves: Diversity, Unity, Equity. Parkville, Australia: Society for Music Education. 2011.

MAHONEY, John F. Interrater Agreement on the Nordoff-Robbins Evaluation Scale I: Client-Therapist Relationship in Musical Activity. Music and Medicine, v. 2, n. 1, p. 23-28, 2010.

NORDOFF, Paul; ROBBINS, Clive; MARCUS, David. Creative Music Therapy: Guide to Fostering Clinical Musicianship. 2. ed. New Hampshire: Barcelona Publishers, 2007.

RAHMAN, Yousria Abdel. Doctoral School Summer Conference June 2008 Institute of Education. Educate, v. 8, n. 1, p. 34–64, 2008.

ROBARTS, Jacqueline Z. Music Therapy and Adolescents with Anorexia Nervosa. Nordic Journal of Music Therapy, v. 9, n. 1, p. 3-12, 2000.

RUUD, Even. Música e saúde. São Paulo: Grupo Editorial Summus, 1991.

SAMPAIO, Renato Tocantins. Avaliação da sincronia rítmica em crianças com transtorno do espectro do autismo em atendimento musicoterapêutico. Tese (Doutorado em Neurociências). Universidade Federal de Minas Gerais, 2015.

SZWEDA, Sara Knaplk. The Effectiveness and Influence of Vocal and Instrumental Improvisation in Music Therapy on Children Diagnosed with Autism. Pilot Study. The Journal of Education Culture and Society, p. 153-166, 2015.

THAUT, Michael H. Rhythm, Music, and the Brain: Scientific Foundations and Clinical Applications. New York: Routledge, 2005. v. 7.

WIGRAM, Anthony Lewis. Music Therapy Assessment: Psychological Assessment without Words. Psyke & Logos, v. 28, n. 1, p. 25, 2007.

WIGRAM, Tony; GOLD, Christian. Music Therapy in the Assessment and Treatment of Autistic Spectrum Disorder: Clinical Application and Research Evidence. Child: care, health and development, v. 32, n. 5, p. 535-542, 2006.

WOOD, Stuart. “The Matrix”: A Model of Community Music Therapy Processes. Voices: A World Forum for Music Therapy, v. 6, n. 3, nov. 2006.




DOI: http://dx.doi.org/10.20504/opus2017b2309

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 OPUS - Revista Eletrônica da ANPPOM

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

 
OPUS - Revista Eletrônica da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Música (ANPPOM)
ISSN 0103-7412 (versão impressa, 1989-2008), ISSN 1517-7017 (versão online, 2009- )