Musicalidade humana sob o prisma cognitivo-evolucionista: do Homo sapiens ao Homo digitalis

Luciane Cuervo, Graham Frederick Welch, Leda de Albuquerque Maffioletti, Eliseo Reategui

Resumo


 

Este trabalho visa discutir a musicalidade humana sob um prisma cognitivo-evolucionista. Busca refletir acerca da complexidade da manifestação musical num panorama que articula os períodos transcorridos entre os tempos remotos da espécie Homo sapiens até a sua interação na era da Cultura Digital. As reflexões são fundamentadas em pesquisas que mostram um fazer musical ininterrupto, que inicia nos primórdios da humanidade e segue significativo até o presente momento, sofrendo, contudo, transformações que vêm sendo aceleradas pelas novas tecnologias digitais. Esse cenário implica, também, mudanças na construção da performance musical, bem como nos conceitos de aprendizagem e autoaprendizagem de música.

 

 


Palavras-chave


Cognição musical. Cultura Digital. Performance musical.

Texto completo:

PDF

Referências


ALTENMÜLLER, Eckart; GRUHN, Wilfried. Brain Mechanism. In: R. PARNCUTT; G. E. MCPHERSON (Orgs.). The Science and Psychology of Music Performance: Creative Strategies for Teaching and Learning. Oxford: Oxford University Press, 2002. p. 63-81.

BAUER, Willian. Music Learning and Technology. New Directions: A Journal of Scholarship, Creativity and Leadership in Music Education, n. 1, 2014. Disponível em: . Acesso em: 5 maio 2017.

BEYER, Esther. A interação musical em bebês: algumas concepções. Revista Centro de Educação UFSM, Universidade Federal de Santa Maria, v. 28, p. 2-7, jul./dez. 2003.

BLACKING, John. How Musical is Man? Seattle e Londres: University of Washington Press, 1973.

______. Music, Culture and Experience. In: BLACKING, J. Music, Culture and Experience: Selected Papers of John Blacking. Chicago: University of Chicago Press, 1995. p. 323-342.

CROSS, Ian. Music, Cognition, Culture and Evolution. In: PERETZ, I.; ZATORRE, R.J. The Cognitive Neuroscience of Music. Oxford: Oxford University Press, 2003. p. 42–56.

______. Music and Speech as Complementary Facets of the Human Communicative Toolkit. In: ENCUENTRO DE CIENCIAS COGNITIVAS DE LA MÚSICA, 10., 2011, Buenos Aires. Anais Musicalidad Humana. Buenos Aires: SACCOM, 2011. p. 18-24.

CUERVO, Luciane. Musicalidade na performance com a flauta doce. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009.

______. Concepções de musicalidade entre estudantes de música: Um estudo nas modalidades de educação presencial e a distância In: ENCUENTRO DE CIENCIAS COGNITIVAS DE LA MÚSICA, 10., 2011, Buenos Aires. Anais Musicalidad Humana. Buenos Aires: SACCOM, 2011. p. 997-1004.

______. Educação musical e a ideia de arquiteturas pedagógicas: práticas na formação de professores da geração “nativos digitais”. Revista da ABEM, Associação Brasileira de Educação Musical, v. 20, n. 29, p. 62-77, jul./dez. 2012.

______. Musicalidade da performance na cultura digital: estudo exploratório-descritivo sob uma perspectiva interdisciplinar. Tese (Doutorado Informática na Educação). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2016.

CUERVO, Luciane. MAFFIOLETTI, Leda de Albuquerque. Musicalidade na performance: uma investigação entre estudantes de instrumento. Revista da ABEM, Associação Brasileira de Educação Musical, n. 21, p. 35-43, mar.2009.

______. Musicalidade e amusia: interfaces de um mesmo ser musical. In: SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE COGNIÇÃO E ARTES MUSICAIS, XI, 2015. Anais.... Pirenópolis, Associação Brasileira de Cognição e Artes Musicais, 2015. p. 65-73.

DISSANAYAKE, Ellen. If Music is the Food of Love, what about Survival and Reproductive Success? Musicae Scientiae Special Issue, n. 12, p. 169-195, 2008.

______. The Birth of the Arts: Troughout our History, Humans Have Felt Compelled to Make Art. Greater Good: The Science of Meanigful Life, Winter 2009. Disponível em: . Acesso em: 5 maio 2017.

______. Homo Musicus: Are Humans Predisposed to be Musical? In: ENCUENTRO DE CIENCIAS COGNITIVAS DE LA MÚSICA, 10., 2011, Buenos Aires. Anais Musicalidad Humana. Buenos Aires: SACCOM, 2011. p. 17- 21.

ELLIOTT, David; SILVERMAN, Marissa. Music Matters: A Philosophy of Music Education. Oxford: Oxford University Press, 2014.

FREIRE, Paulo. Extensão ou comunicação? Trad. de Rosisca Darcy de Oliveira / prefácio de Jacques Chonchol. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.

______. Pedagogia da autonomia. Saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FORRESTER, Michael; BORTHWICK-HUNTER, Emma. Understanding the Development of Musicality: Contributions from Longitudinal Studies. Psychomusicology, v. 25, n. 2, p. 93-102, 2015.

GABRIELSSON, Alf. Music Performance Research at the Millennium. Psychology of Music, Society for Education, Music and Psychology Research (SEMPRE), Londres, v. 31, n. 3, p. 221- 272, 2003.

GEMBRIS, Heiner. Historical Phases in the Definition of Musicality. Psychomusicology: Journal of Research in Music Cognition, v. 3, n. 16, p. 17-25. 1997.

GOHN, Daniel Marcondes. Aspectos tecnológicos da experiência musical. Revista Música Hodie, Goiânia, v. 7, n. 2, 2007. Disponível em: . Acesso em: 12 jul 2017.

______. Educação musical à distância: abordagens e experiências. Ebook. São Paulo: Cortez, 2013.

HALLAM, Susan. Musicality. In: McPHERSON, G.E. (Org.). The Child as Musician: A Handbook of Musical Development. Nova York: Oxford University Press, 2006. p. 93-110.

HARARI, Yuval Noah. Sapiens: A Brief History of Humankind. Londres: Harvill Secker, 2014.

HARGREAVES, David. Within You Without You: Music, Learning and Identity. Electronic Musicological Review, Curitiba, v. 9, Oct. 2005. Disponível em: . Acesso em: 6 maio 2017.

HURON, David. Um instinto para a música: seria a música uma adaptação evolutiva? Em Pauta, Porto Alegre, v. 20, n. 34/35, p.49-84, jan./dez. 2012.

IFPI. Global Music Report Music: Consuption Exploring Worldwide. State of the Industry Overview 2016. Disponível em: . Acesso em 5 maio 2017.

ILARI, Beatriz. Música, Comportamento social e relações interpessoais. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 11, n. 1, p. 191-198, jan./abr. 2006.

KRAMER, Jonathan. The Impact of Technology on the Musical Experience. College Music Symposium. Exploring diverse perspective. Celebrating the 40th Anniversary of the Museum of Modern Art Tape Music Concert, v. 37, 1997. Disponível em: . Acesso em: 5 maio 2017.

LEVITIN, Daniel. A música em seu cérebro: a história de uma obsessão humana. São Paulo: Civilização Brasileira, 2010.

______. The World in Six Songs: How the Musical Brain Created Human Nature. New York, 2016.

LEVITIN, Daniel; TIROVOLAS, Anna. Current Advances in the Cognitive Neuroscience of Music. The Year in Cognitive Neuroscience, v. 1156, p. 211-231, 2009. Disponível em: . Acesso em: 1 abr. 2017.

LÉVY, Pierre. O que é o virtual. São Paulo: Editora 34, 2011.

_____. Pierre Lévy: a revolução digital só está no começo. Entrevista concedida a Juremir Machado. Correio do Povo, 14 abr. 2015, Caderno de Sábado. Disponível em . Acesso em 16 jul. 2017.

MAFFIOLETTI, Leda de Albuquerque. Musicalidade Humana: aquela que todos podem ter. In: ENCONTRO REGIONAL DA ABEM SUL, 4., 2001, Santa Maria. Anais... Santa Maria: UFSM, 2001. p.53-63.

______. Musicalidade, Mitos e Educação. In: ENCUENTRO DE CIENCIAS COGNITIVAS DE LA MÚSICA, 10., 2011, Buenos Aires. Anais Musicalidad Humana. Buenos Aires: SACCOM, 2011. p. 273-382.

MARIATH, Luiza Moteavaro et al. Music Genetics Research: Association with Musicality of a Polymorphism in the AVPR1A Gene. Genetics and Molecular Biology, Sociedade Brasileira de Genética, v. 40, n. 2, p. 421-429, 2017.

McCORMICK, John; McPHERSON, Gary. The Role of Self-Efficacy in a Musical Performance Examination: An Exploratory Structural Equation Analysis. Psychology of Music. Society for Education, Music and Psychology Research - SEMPRE. v. 31, n. 1, 2003. p. 37-51.

MITHEN, Steven. The Singing Neanderthals: The Origins of Music, Language, Mind, and Body. Harvard University Press, 2006.

PERETZ, Isabelle et al. Congenital Amusia: A Disorder of Fine-Grained Pitch Discrimination. Neuron, Cambridge, Mass., v. 33, p. 185-191, 2002.

PINKER, Steven. Como a mente funciona. Trad. Laura Motta. São Paulo: Cia das Letras, 1999.

SANTORO, Michele Maria. Glenn Gould e tecnologia, 2014. Disponível em: . Acesso em: 20 abr. 2017.

SLOBODA, John. A mente musical: a psicologia cognitiva da música. Trad. de Beatriz Ilari e Rodolfo Ilari. Londrina: Ed. da Universidade Estadual de Londrina, 2008.

STATE OF CONNECTIVITY 2015. A Report on Global Internet Access. Survey realizado pela Internet.Org/Facebook. Disponível em: Acesso em: 12 maio 2017.

TAFURI, Johannella. Infant Musicality: New Research for Educators and Parents. Society for Education, Music and Psychology Research – SEMPRE. Londres: Ashgate Publiching Company, 2008.

TEIXEIRA, Adriano Canabarro. Inclusão digital: novas perspectivas para a informática educativa. Ijuí: Editora Unijuí, 2010.

VILLAÇA, Alcides. Edward Said e o “estilo tardio”. Resenha. Estud. av., .24 n.68, São Paulo, 2010. Disponível em: . Acesso em: 12 jul.2017.

WEBSTER, Peter Richard. Computer-Based Technology and Music Teaching and Learning. In: COLWELL, R.; RICHARDSON, C. (Eds.). The New Handbook of Research on Music Teaching and Learning. New York: Oxford University Press, 2002. p. 416-435.

WELCH, Graham. We are musical. International Journal of Music Education. v.12, n. 117, Aug. 2005, p. 117-120. Disponível em: . Acesso em: 5 mai. 2017.

______. Os maiores benefícios da música. In: SIMPÓSIO DE COGNIÇÃO E ARTES MUSICAIS, 8., 2012, Florianópolis. Anais... Florianópolis: UDESC/Departamento de Música, 2012. p.23-27.

______. Histórias de la vida. Entrevista concedida a Andrea Giráldez. Revista Eufonía Didáctica de la Música, n. 60, p. 1-11, jan. 2014.

WILLIAMS, David Brian; WEBSTER, Peter Richard. Experiencing Music Technology. 3. ed.. New York: Schirmer Reference, 2006.

XYDAS, Spiros Daniel. Transforming Music Classes and Rehearsals with Compositions and Ipads: Reflections from a Mid-Carrer Music Educator. Tempo – The Official Magazine of the New Jersey Music Educators Association. Troy/Michigan, Baker Middle School, p. 52-53, Mar. 2014.




DOI: http://dx.doi.org/10.20504/opus2017b2310

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 OPUS - Revista Eletrônica da ANPPOM

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

 
OPUS - Revista Eletrônica da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Música (ANPPOM)
ISSN 0103-7412 (versão impressa, 1989-2008), ISSN 1517-7017 (versão online, 2009- )