A aplicação da teoria da aprendizagem significativa de Ausubel na prática improvisatória

César Albino, Sônia Albano de Lima

Resumo


Este artigo trata da aplicação da Teoria da Aprendizagem Significativa de D. P. Ausubel nos processos de ensino musical, principalmente na prática improvisatória. Está subdividido em três partes: a primeira analisa as diferentes abordagens de ensino, mais intensamente, a tradicional e a construtivista; a segunda fala especificamente da Teoria de Ausubel; a terceira reporta-se a alguns conceitos dessa teoria para serem aplicados nos processos de ensino/aprendizagem musical. Parte da narrativa foi extraída da dissertação de mestrado A importância do ensino da improvisação musical no desenvolvimento do intérprete (IA- UNESP). Para este estudo, além de D. P. Ausubel, também foram consultados os trabalhos de Vera Jardim, Liliana Bollos, Maria da Graça N. Mizukami e Gilles Deleuze. A utilização dessa teoria configura-se como uma excelente oportunidade de interação entre teoria e prática musical, fazendo uso de procedimentos cognitivos já consagrados na educação e não tão valorizados pela educação musical, principalmente no que diz respeito ao ensino da improvisação musical. 


Palavras-chave


D. P . Ausubel; Teoria da aprendizagem significativa; improvisação musical.

Texto completo:

PDF

Referências


ALENCAR, Eunice M. L. Soriano de. Psicologia da criatividade. Porto Alegre: Artes Médicas, 1986.

AUSUBEL, David Paul, NOVAK, Joseph D., HANESIAN, Helen. Psicologia educacional. Rio de Janeiro: Interamericana, 1980.

AUSUBEL, David Paul. Psicologia educativa: un punto de vista cognoscitivo. Cidade do México: Trillas, 1976.

BOLLOS, Liliana Harb. Performance na música popular: uma questão interdisciplinar. In: LIMA, Sônia Regina Albano de (org). Ensino, música & interdisciplinaridade, p. 107-124. Goiânia: Editora Vieira e Irokun Brasil, 2009.

COSTA, Rogério. O músico enquanto meio e os territórios da livre improvisação. São Paulo, 2003. Tese (Doutorado em Comunicação e Semiótica) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

FERREIRA, Luis de França. Ambiente de aprendizagem construtivista. Disponível na internet: Acesso em 17/05/2009.

FONTERRADA, Marisa. De tramas e fios: um ensaio sobre música e educação. São Paulo: Editora UNESP, 2003.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 47a ed. São Paulo: Paz e Terra, 2005.

GLASER, Scheilla. Regina. Instrumentista & professor: contribuições para uma reflexão acerca da pedagogia do piano e da formação do músico-professor. São Paulo, 2005. Dissertação (Mestrado em Música) - Universidade Estadual Paulista.

HOUAISS, Antônio (org.). Dicionário eletrônico Houaiss. Versão 1.0. São Paulo: Objetiva, 2001.

JARDIM, Vera Lúcia Gomes. O músico professor: percurso histórico da formação em Música. In: LIMA, Sônia Regina Albano de (org). Ensino, música & interdisciplinaridade, p. 11- 57. Goiânia: Editora Vieira e Irokun Brasil, 2009.

MATURANA, Humberto. Cognição, ciência e vida cotidiana. Trad. Cristina Magro e Victor Paredes. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2006.

MIZUKAMI, Maria da Graça Nicoletti. Ensino: as abordagens do processo. São Paulo: EPU, 1986.

MOLES, Abraham. As ciências do impreciso. Porto: Afrontamento, 1995.

MOREIRA, Marco Antonio. A teoria da aprendizagem significativa e sua implementação em sala de aula. Brasília: Editora UnB, 2006.

PINTO, Cláudia. Idiossincrático. In: FLIP: Ferramentas para a língua portuguesa. Disponível na internet: Acesso em 28/06/2009.

SEVERINO, Antonio Joaquim. Pesquisa, pós-graduação e Universidade. Revista da Faculdade Salesiana, v. 24, n. 34, 1996, p. 60 a 68.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais



 
OPUS - Revista Eletrônica da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Música (ANPPOM)
ISSN 0103-7412 (versão impressa, 1989-2008), ISSN 1517-7017 (versão online, 2009- )