Contribuições da musicoterapia para o fortalecimento da subjetividade de adolescentes participantes de um projeto social

Hermes Soares dos Santos, Célia Maria Ferreira da Silva Teixeira, Claudia Regina de Oliveira Zanini

Resumo


O presente artigo aborda a pesquisa realizada com adolescentes em uma instituição social. Nesta pesquisa, o objetivo foi investigar como a Musicoterapia contribuiu para o fortalecimento da subjetividade de um grupo de sete adolescentes com idades entre 10 e 13 anos. A fundamentação teórica utilizada na pesquisa foi o Princípio de ISO, Identidade Sonoro- Musical do Indivíduo, de Benenzon, e o conceito de subjetividade presente na Psicologia Sócio- Histórica. Foram utilizados instrumentos musicais, aparelho de som e CDs, como recursos, e técnicas musicoterápicas, como improvisação, recriação e composição musicais. O processo foi dividido em quatro fases, nas quais foram trabalhados ritmos musicais diversos, melodia, exercícios musicais mais complexos e uma composição sobre adolescência, respectivamente. Foi realizada a análise dos conteúdos mais relevantes das fases, da composição final e de destaques de trechos de entrevistas realizadas no final do processo. Constatou-se que a Musicoterapia contribuiu para o fortalecimento de suas subjetividades. 


Palavras-chave


Psicologia Sócio-Histórica; Musicoterapia; Adolescência; Subjetividade.

Texto completo:

PDF

Referências


AGUIAR, W. M. J. Consciência e Atividade: Categorias Fundamentais da Psicologia Sócio-Histórica. In: BOCK, A. M. B.; GONÇALVES, M. G. M.; FURTADO, O. (Org.). Psicologia sócio-histórica: uma perspectiva crítica em psicologia. 3 ed. São Paulo: Cortez, 2007, p. 95-110.

AGUIAR, W. M. J.; BOCK, A. M. B.; OZELLA, S. A orientação profissional com adolescentes: um exemplo de prática na abordagem sócio-histórica. In: BOCK, A. M. B.; GONÇALVES, M. G. M.; FURTADO, O. (Org.). Psicologia sócio-histórica: uma perspectiva crítica em psicologia. 3 ed. São Paulo: Cortez, 2007, p. 163-178.

BARCELLOS, L. R. M. A utilização da música como elemento terapêutico. In: INTERNATIONAL SYMPOSIUM ON MUSIC AND MAN, 1., 1982, New York University. Anais... New York, jun. 1982. p. 1-5.

BENENZON, R. Manual de musicoterapia. Tradução de Clementina Nastari. Rio de Janeiro, Enelivros, 1985.

___________. La nueva musicoterapia. Colaboração de Violeta Hemsy de Gainza e Gabriela Wagner. 2 ed. Buenos Aires: Lumen, 2008.

BLASCO, S. Poch. Compendio de musicoterapia. v. 1. Barcelona: Editorial Herder, 1999.

BOCK, Ana M. Psicologia sócio-histórica: uma perspectiva crítica em psicologia. In: BOCK, A. M. B.; GONÇALVES, M. G. M.;

FURTADO, O. (Org.). Psicologia sócio- histórica: uma perspectiva crítica em psicologia. 3 ed. São Paulo: Cortez, 2007, p. 15- 35.

BRANDÃO, M. R. E.; MILLECO, R. P.; MILLECO FILHO, L. A. É preciso cantar: musicoterapia, cantos e canções. Rio de Janeiro: Enelivros, 2001.

BRUSCIA, K. Definindo musicoterapia. Rio de Janeiro: Enelivros, 2000.

CABIÉ, M. C. Adolescência e ciclo familiar existencial. In: GAMMER, C.; CABIÉ, M. C. Adolescência e crise familiar. Tradução: Dra. Maria Emília Jacob Pereira. Lisboa: Climepsi Editores, 1999.

CALIL, M. I. De menino de rua a adolescente: análise sócio-histórica de um processo de ressignificação do sujeito. In: OZELLA, S. (Org.). Adolescências construídas: a visão da psicologia sócio-histórica. São Paulo: Cortez, 2003. p. 137-166.

CAMARGO, D.; MAHEIRIE, K.; WASLAWICK, P . Significados e sentidos da música: uma breve “composição” a partir da psicologia histórico-cultural. Psicologia em Estudo, v. 12, n. 1. Maringá, p. 105-113, jan./ abr. 2007.

CLÍMACO, A. A. de S. Repensando as concepções de adolescência. Dissertação (Mestrado em Psicologia da Educação). Departamento de Psicologia Social da Faculdade de Psicologia da PUC-SP, 1991.

DIAS, S. A. et al. Projeto viva gente - cuidando da vida. Projeto Social da Paróquia São Vicente Palotti. Goiânia: [s.n.], 2007.

FURTADO, O. As dimensões subjetivas da realidade: uma discussão sobre a dicotomia entre a subjetividade e a objetividade no campo social. In: FURTADO, O.; GONZÁLEZ REY, F. L. (Org.). Por uma epistemologia da subjetividade: um debate entre a teoria sócio-histórica e a teoria das representações sociais. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2002. p. 91-105.

GONZALEZ REY, F. La investigación cualitativa en psicología: rumbos y desafíos. São Paulo: EDUC - Editora da PUC-SP, 1999.

LANE, S. T. M. Emoções e pensamento: uma dicotomia a ser superada. In: BOCK, A. M. B. (Org.). A perspectiva sócio-histórica na formação em psicologia. Petrópolis: Editora Vozes, 2003. p. 100-112.

MINAYO, M. C. S. Ciência, técnica e arte: o desafio da pesquisa social. In: MINAYO, M. C. S. (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Editora Vozes, 1994. p. 21-22.

OZELLA, Sérgio. A adolescência e os psicólogos: a concepção e a prática dos profissionais. In: OZELLA, S. (Org.). Adolescências construídas: a visão da psicologia sócio-histórica. São Paulo: Cortez, 2003. p. 17-40.

SANTOS, H. A musicoterapia como auxílio na construção da identidade de jovens participantes de um projeto social. 2006. 105 f. Monografia (Bacharelado em Musicoterapia). Escola de Música e Artes Cênicas, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2006. p. 70-1.

SANTOS, M. A.; BARCELLOS, L. R. M. A natureza polissêmica da música e a musicoterapia. Disponível em: .

SEKEFF, M. L. Da música e seus recursos. São Paulo: Unesp, 2002. p. 43-47.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais



 
OPUS - Revista Eletrônica da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Música (ANPPOM)
ISSN 0103-7412 (versão impressa, 1989-2008), ISSN 1517-7017 (versão online, 2009- )