Aplicações composicionais de um modelo analítico para variação progressiva e Grundgestalt

Carlos de Lemos Almada

Resumo


Este artigo apresenta aplicações em composição musical e novas ramificações da pesquisa que tem como objetivo expor conceitos, terminologia, simbologia e recursos gráficos criados para um modelo analítico especialmente dedicado aos princípios da variação progressiva e da Grundgestalt. Tal modelo vem sendo aplicado como metodologia central de diversos estudos analíticos sobre o assunto, integrando um projeto de pesquisa abrangente em andamento. As abordagens específicas desses estudos têm contribuído decisivamente para a ampliação do escopo do modelo e o aperfeiçoamento de diversos de seus elementos. 


Palavras-chave


Variação progressiva; <i>Grundgestalt</i>; Análise musical.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMADA, Carlos de L. Simbologia e hereditariedade na formação de uma Grundgestalt: a primeira das Quatro Canções Op.2 de Berg. Per Musi: revista acadêmica de música, Programa de Pós-Graduação em Música da UFMG, Belo Horizonte, v. 26, p. 75-88. No prelo.

________________. Um modelo analítico para variação progressiva e Grundgestalt.In: CONGRESSO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE TEORIA E PÓS-GRADUAÇÃO EM MÚSICA, ANPPOM, 22, 2012, João Pessoa. Anais... João Pessoa, UFPB, 2012a, p. 2244-2251.

________________. A estrutura derivativa e suas contribuições para a análise e para a composição musical. In: ENCONTRO DE MUSICOLOGIA DE RIBEIRÃO PRETO, IV, 2012, Ribeirão Preto. Anais... Ribeirão Preto: USP, 2012b. No prelo.

_____________. Derivação temática a partir da Grundgestalt da Sonata para Piano op.1, de Alban Berg. In: II ENCONTRO INTERNACIONAL DE TEORIA E ANÁLISE MUSICAL. Anais... São Paulo: UNESP-USP-UNICAMP, 2011b, p. 10-22.

______________. Derivação temática a partir da Grundgestalt da Sonata para Piano op.1, de Alban Berg. In: In: II SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE MUSICOLOGIA. Anais... Rio de Janeiro: UFRJ, 2011a. No prelo.

____________. Variação em desenvolvimento na construção do tema principal da Sonata para Piano Op.1, de Alban Berg. Opus, Goiânia, v. 16, n. 1, p. 99-112, 2010.

____________. Pontos de contato entre a Sonata para Piano, op.1, de Alban Berg e a Primeira Sinfonia de Câmara, op. 9, de Arnold Schoenberg. In: V SIMPÓSIO DE PESQUISA EM MÚSICA - SIMPEMUS 5, 2008. Curitiba. Anais... Curitiba: UFPR, 2008, p. 84-91.

_____________. “Nas fronteiras da tonalidade”: tradição e inovação na forma da Primeira Sinfonia de Câmara, op.9, de Arnold Schoenberg. Dissertação (Mestrado em Música). Centro de Letras e Artes, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2007.

BOSS, Jack. Schoenberg's Op. 22 Radio Talk and Developing Variation in Atonal Music. Music Theory Spectrum, v. 14, n. 2, p. 125-149, 1992.

BURTS, Devon. An Application of the Grundgestalt Concept to the First and Second Sonatas for Clarinet and Piano, Op. 120, no. 1 & no. 2, by Johannes Brahms. Dissertação (Mestrado em Música). University of South Florida, s/l, 2004.

CARPENTER, Patricia. Grundgestalt as Tonal Function. Music Theory Spectrum, v. 5, p. 15-38, 1983.

DAHLHAUS, Carl. Schoenberg and the New Music. Cambridge: Cambridge University Press, 1990.

DUDEQUE, Norton. Variação progressiva como um processo gradual no primeiro movimento do Quarteto A Dissonância, K. 465, de Mozart. Per Musi: revista acadêmica de música, Programa de Pós-Graduação em Música da UFMG, Belo Horizonte, v. 8, p. 41-56, 2003.

______________. Music Theory and Analysis in the Writings of Arnold Schoenberg (1874-1951). Aldershot: Ashgate Publishings, 2005.

______________. Schoenberg: emancipação da dissonância, tonalidade expandida e variação progressiva em Friede auf Erden, op.13. Debates, Rio de Janeiro, v. 9, p. 7-33, 2007.

EMBRY, Jessica. The Role of Organicism in the Original and Revised Versions of Brahms’s Piano Trio in B Major, Op. 8, Mvt. I: A Comparison by Means of Grundgestalt Analysis. Dissertação (Mestrado em Música). University of Massachusetts, Amherst, 2007.

EPSTEIN, David. Beyond Orpheus: Studies in Music Structure. Cambridge: The MIT Press, 1980.

FRISCH, Walter. Brahms and the Principle of Developing Variation. Los Angeles: University of California Press, 1984.

HAIMO, Ethan. Atonality, Analysis and the Intencional Fallacy. Music Theory Spectrum, v. 18, n. 2, p. 167-199, 1996.

MEYER, Leonard. Style and Music. Chicago: The University of Chicago Press, 1989.

RAHN, John. Basic Atonal Theory. New York: Longman, 1980.

RÉTI, Rudolph. The Thematic Process in Music. Westport: Greenwood Press, 1978.

RUFER, Josef. Composition with Twelve Tones. Londres: Barrie & Jenkins, 1969.

SCHOENBERG, Arnold. Style and Idea: Selected Writings of Arnold Schoenberg. Londres: Faber & Faber, 1984.

____________. Fundamentos da composição musical. São Paulo: EDUSP, 1991.

____________. The Musical Idea and the Logic, Technique, and Art of its Presentation. Bloomington: Indiana University Press, 2006.

STRAUS, Joseph. Introduction to Post-tonal Theory. 3 ed. Englewood Cliffs: Prentice- Hall, 2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais



 
OPUS - Revista Eletrônica da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Música (ANPPOM)
ISSN 0103-7412 (versão impressa, 1989-2008), ISSN 1517-7017 (versão online, 2009- )