Pacific 231 de Honegger e a Tocata Trenzinho do Caipira de Villa-Lobos: 41 um caso de intertextualidade

Norton Dudeque

Resumo


A referência às obras do passado como estratégia de desenvolvimento de ideias musicais é comum entre inúmeros compositores da primeira metade do século XX. Villa-Lobos não é exceção e no ciclo de nove Bachianas Brasileiras, podem ser encontradas várias referências à linguagem musical de J. S. Bach, do período Barroco, mas também alusões, estilizações e adaptações de outras obras musicais que extrapolam o mundo bachiano e passam pela música popular urbana da época, assim como pela música de concerto que abrange um longo período, do século XVIII à primeira metade do século XX. Para ilustrar esta questão, realizo uma comparação entre Pacific 231 (1923) de Arthur Honegger e a Tocata Trenzinho do Caipira da Bachianas Brasileiras n. 2 (1930). Para tal comparação considera-se a teoria da intertextualidade e de alguns de seus conceitos, tais como: paródia, ou seja, a releitura que inverte o sentido do objeto parodiado; apropriação, articulação de textos alheios num contexto diverso. Além disso, também consideram-se técnicas musicais que sugerem uma releitura do texto original, tais como compressão, ou seja, quando elementos musicais que, originalmente, ocorriam diacronicamente são comprimidos em algo sincrônico ou em menor espaço de tempo. 


Palavras-chave


Villa-Lobos; Honegger; Pacific 231; Tocata Trenzinho do Caipira; Intertextualidade na música.

Texto completo:

PDF

Referências


BARBOSA, L.; BARRENECHEA, L. A intertextualidade musical como fenômeno. PerMusi, p. 125-136, 2003.

CORRÊA DO LAGO, Manuel Aranha. O Círculo Veloso-Guerra e Darius Milhaud no Brasil: Modernismo Musical no Rio de Janeiro antes da Semana. Rio de Janeiro: Reler Editora, 2010.

GRECO, L.; BARRENECHEA, L. Intertextualidade e Pós-Modernismo Musical. Ictus - Periódico do PPGMUS/UFBA, v. 9, n. 1, p. 39-56, 2008.

HONEGGER, Arthur. I am a Composer. Traduzido para o inglês por Wilson O. Clough, em colaboração com Allan Arthur Willman. London: Faber, 1966.

JARDIM, Gil. O Estilo Antropofágico de Heitor Villa-Lobos. São Paulo: Edição Philarmonia Brasileira, 2005.

NOGUEIRA, Ilza. A estética intertextual na música contemporânea: considerações estilísticas. Brasiliana, v. 13, p. 2-12, 2003.

PALMA, Enos da Costa; Edgard de Brito Chaves Jr. As Bachianas Brasileiras de Villa- Lobos. Rio de Janeiro: Companhia Editora Americana, 1971.

PEPPERCORN, L. M. Correspondence between Heitor Villa-Lobos and His Wife Lucilia. Music and Letters, v. 61, n. 3-4, p. 284-292, 1980.

SALLES, Paulo De Tarso. Villa-Lobos: processos composicionais. Campinas: Editora da Unicamp, 2009.

SANT’ANNA, Afonso Romano de. Paródia, paráfrase & Cia. São Paulo: Ática, 2007. SPRATT, Geoffrey K. The Music of Arthur Honegger. Cork: Cork University Press, 1987.

STRAUS, Joseph N. Remaking the Past: Musical Modernism and the Influence of Tonal Tradition. Cambridge: Harvard University Press, 1990.

VILLA-LOBOS, sua obra. Rio de Janeiro: MEC/Museu Villa-Lobos, 1972.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais



 
OPUS - Revista Eletrônica da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Música (ANPPOM)
ISSN 0103-7412 (versão impressa, 1989-2008), ISSN 1517-7017 (versão online, 2009- )