Emulação de retóricas clássicas em preceptivas da musica poetica

Mônica Lucas

Resumo


No mundo Reformado dos sécs. XVII e XVIII, autores que discorreram sobre a composição musical, ou musica poetica, propuseram preceptivas cuja sistemática e terminologia foram emprestadas das retóricas e das poéticas greco-latinas, seguindo o interesse humanista. Este artigo mostra como as escolas luteranas cumpriram um papel fundamental para esta transposição. Para isto, examina-se a proposta pedagógica destas instituições, centrada no estudo da Teologia e na leitura de autores clássicos e humanistas. Este método de ensino se estende às preceptivas musicais, que assimilam, assim, a tradição retórica. Nesse sentido, é possível considerar estes escritos da musica poética como produtos diretos do pensamento humanista. Nos escritos da musica poetica, a finalidade edificante da música é identificada com a ideologia das escolas luteranas. Ainda no séc. XVIII, tratados como o referencial O Mestre-de-Capela Perfeito, de Johann Mattheson (1739), afirmam a mesma potencialidade moral da música. Não há dúvida do débito desta obra magistral para com a tradição escolar da musica poetica, a despeito da obra de Mattheson ser dedicada ao círculo cortesão e não diretamente ao público escolar. Uma visão mais aprofundada da dimensão humanista do ensino da música nas escolas luteranas permite contextualizar e melhor compreender o aparecimento e difusão da musica poetica no mundo luterano dos séculos XVII e XVIII.


Palavras-chave


Musica poetica; Retórica musical; Humanismo; Escolas luteranas.

Texto completo:

PDF

Referências


BARNES, Wilfried. Barockrhetorik. Tübingen: Max Niemeyer, 2002.

BARTEL, Dietrich. Musica Poetica: Musical-Rhetorical Figures in German Baroque.

Nebraska: University of Nebraska Press, 1998.

BARROS, Cassiano. As relações entre a gramática musical, a retórica e a estética, no marco da teoria fraseológico-musical de H.C. Koch (1749-1816). Tese (Doutorado em Música). Instituto de Artes, UNICAMP/FAPESP, Campinas, 2011. Disponível em: http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/?code=vtls000380274. Acesso em: 23 maio 2011.

BUTT, John. Music Education and the Art of Performance in the German Baroque. Cambridge: Cambridge University Press, 1994.

CÍCERO, Marco Túlio. De Oratore. London: Harvard University Press, 1942. Loeb Classical Library. Primeira publicação em 55 a. C.

DOMINGOS, Nathalia. Tradução comentada da primeira parte de “A Plaine and Easie Introduction to Practicall Musicke” (1597), de Thomas Morley. Dissertação (Mestrado em Música). Escola de Comunicações e Artes, USP/FAPESP, São Paulo, 2012. Disponível em:. Acesso em: 9 dez. 2012.

GLAREAN, Heinrich. Dodechacordon. Basel: Heinrich Petri, 1547.

LISTENIUS, Nikolaus. De musica. Nürnberg: Petreium, 1541. 1. ed. Wittemberg, 1537. Disponível em: http://petrucci.mus.auth.gr/imglnks/usimg/e/ec/IMSLP112977-PMLP230588- musica_1541.pdf. Acesso em: 28 jan. 2012.

LUTERO, Martinho. Eine Predigt, dass man Kinder zur Schule halten solle (sermão, 1524). Disponível em: http://digi.ub.uni-heidelberg.de/diglit/cpg40 . Acesso em: 26 dez. 2011.

MATTHESON, Johann. Der Brauchbare Virtuoso. Hamburg: Schiller und Kissner, 1720. Disponível em: http://conquest.imslp.info/files/imglnks/usimg/d/d4/IMSLP18784- PMLP44426-Matthesson_Der_Brauchbare_Virtuoso.pdf . Acesso em: 3 ago. 2012.

______. Der Vollkommene Capellmeister (Hamburg, 1739). Kassel: Bärenreiter, 1991.

MELANCHTON, Philipp. Unterricht der Visitatorn an die Pfarherrn im Kurfürstentum zu Sachssen. Disponível em: http://www.prdl.org/author_view.php?s=320&limit= 20&a_id=9&sort=. Acesso em: 7 jul. 2014.

MORLEY, Thomas. A Plaine and Easie Introduction to Practicall Musicke. London: Peter Short,

PAOLIELLO, Noara. Os Concertouverturesde Georg PhilippTelemann: um estudo dos Gostos Reunidos segundo as preceptivas setecentistas de Estilo e Gosto. Dissertação (Mestrado em Música). Escola de Comunicações e Artes, USP/FAPESP, São Paulo, 2011. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/27/27157/tde- 14122011-225717/pt-br.php. Acesso em: 9 dez. 2012.

QUINTILIANO. Institutio oratoria. Harvard: Loeb, 1998. Primeira publicação em c. 95.

REVEL, Jacques. Os usos da civilidade. In: ARIÈS, Philippe; CHARTIER, Roger (Org.). Uma história da vida privada: da Renascença ao Século das Luzes. São Paulo: Companhia das Letras, 1991, v. 3, p. 169-209.

VORMBAUM, Reinhold. Evangelische Schulordnungen, vol. II: Die evangelischen Schulordnungen des siebzehntenJahrhunderts. Gütersloh: Bertelsmann, 1863.

WILSON, Blake Mc Dowell. Ut Oratoria Musica in the Writings of Renaissance Music Theorists. In: MATTHIESEN, Thomas J.; RIVERA, Benito (Ed.). Festa Musicological: Essays in Honour of George G. Buelow. Stuyvesant: Pendragon Press, 1995, p. 341-369.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais



 
OPUS - Revista Eletrônica da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Música (ANPPOM)
ISSN 0103-7412 (versão impressa, 1989-2008), ISSN 1517-7017 (versão online, 2009- )